Conheça Percílio, o encantador de falcões em Sergipe Gente
Conheça Percílio, o encantador de falcões em Sergipe

Conheça Percílio, o encantador de falcões em Sergipe

Kady Albuquerque Kady Albuquerque Publicado em 13 de maio de 2017

A 45 km de Aracaju, nos arredores da Serra de Itabaiana, mora um sergipano de coração alado. Se em um mito se transformasse, poderia ser uma versão altruísta de Ícaro. Este, do alto dos seus sonhos, queria voar. O outro, com os pés no chão, sonha com o dia em que todas as aves de rapina voem em liberdade.
Ele é José Percílio, o idealizador e coordenador do Parque dos Falcões. O lugar é pequeno e simples, mas o propósito rompe fronteiras.

 

Foto: Kadydja Albuquerque

Foto: Kadydja Albuquerque



Aos 7 anos de idade, a vida trouxe para Percílio um ovo de falcão. Como qualquer criança, poderia ter ficado excitado no momento, e logo depois ter esquecido do presente. Ao contrário, ele entregou a uma galinha o ofício de chocar o ovo por 28 dias. Nasceu Tito, que apesar do nome masculino, é um carcará fêmea. Tito está com Percílio até hoje e nunca quis reproduzir. Sua cria já havia nascido com ele quando despertou em seu dono a vontade de ser um encantador de aves.

 

 

Percílio_Parque dos Falcões_Kadydja Albuquerque_AGV13

Entrada do Parque dos Falcões/ Foto: Kadydja Albuquerque

 

 

Há 27 anos, o coordenador do Parque dos Falcões vive para a preservação de aves de rapina: corujas, gaviões, falcões, urubus, águias e, na contramão, até um tamanduá virou hóspede do parque. São 28 espécies e 300 aves adestradas. Algumas voam livre, outras estão semi soltas. Algumas em fase de recuperação, pois chegam pelas mãos de agentes do Ibama e da Policia Florestal, vítimas da crueldade humana. Com o seu parceiro no projeto, Alexandre, trata as aves, adestra em alguns casos, e dedica-se à reprodução em cativeiro e à reinserção dessas aves em seu habitat natural.

 

 

Foto: Kadydja Albuquerque

Foto: Kadydja Albuquerque

 

Ele não teve livro para aprender como falar com esses animais. Também não vieram dos bancos da faculdade as técnicas de reprodução que chamam a atenção do mundo inteiro. Aprendeu colocando-se no lugar deles. Foi o caso da reprodução da espécie Gavião Pernilongo, que, após 11 anos, ele conseguiu reproduzir em cativeiro. Nunca antes nenhum cientista tinha conseguido tal façanha.

Percílio recebe diversos convites para trabalhar em filmes e seriados. Ele vai, mas as aves é que aparecem. É o caso de Zamura, o carcará treinado para defesa pessoal e que durante dois anos participou de um seriado japonês. É arisco, mas nas mãos de Percílio vira indefeso.

 

O Zamura/ Foto: Kadydja Albuquerque

O Zamura/ Foto: Kadydja Albuquerque

 

 

Para os visitantes, a diversão garantida é poder tirar fotos com as corujas e falcões adestrados. O carcará Dara e as corujas Lucinha, Zilda, Jurubeba e Zeus já estão acostumados com tantos flashes. Jurubeba, inclusive, já esteve no Faustão. Mas é na visita guiada pelos viveiros que você se surpreende com a dedicação de Percílio por essas aves. Ele traz tudo na memória e não poupa o visitante de nenhum detalhe. Conta suas conquistas com brilho nos olhos e fala apressada.

 

 

Foto: Kadydja Albuquerque

Foto: Kadydja Albuquerque

 

Uma das atrações mais legais do parque é poder tirar foto com as corujas / Foto: Kadydja Albuquerque

Uma das atrações mais legais do parque é poder tirar foto com as corujas / Foto: Kadydja Albuquerque

 

Se você for no horário certo, ainda pode vê-lo fazer a demonstração de voo com as aves. Elas se exercitam três vezes por semana. São treinadas em três tipos de voo: para turistas, para reportagem e o voo de exercício.

E como visitar o Parque dos Falcões?

Todas as visitas ao Parque dos Falcões precisam ser agendadas. A entrada custa R$ 25,00. Recomendamos ainda um passeio orientado pelas trilhas da Serra de Itabaiana com suas cachoeiras, poços e paisagens de perder o fôlego.

 

Parque dos Falcões
Site: www.parquedosfalcoes.com.br
Telefones para agendamento de visitas: (79) 9962 5457/ 9885-2522 / 9131-3496.
*As visitas turísticas incluem apresentação oral e audiovisual da história, missão e técnicas de manejo do Instituto; apresentação dos hábitos de vida das aves de rapina; e fotografias com os animais em punho.

 

Boa viagem!

 

Kady Albuquerque
kadydja@agenteviaja.net
Instagram: @agenteviaja
Twitter: @agenteviaja
Curta facebook.com/AGViaja

 


Notícias Relacionadas


Booking.com